quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Resenha - Jane Eyre - Charlotte Brontë

                                                          



Título Original: Jane Eyre
Autor: Charlotte Brontë
Idioma: Português
Capa comum: 780 páginas
Editora: Martin Claret; Edição: 1ª (1 de junho de 2015)
Avaliação do Blog ★★★★★


Sinopse: Jane Eyre, romance de estreia da consagrada e renomada escritora inglesa Charlotte Brontë, narra a história de vida da heroína homônima. Quebrando paradigmas e criticando a realidade vitoriana da época, Jane Eyre desafia o destino imposto às mulheres e as posições sociais que elas deveriam ocupar. Recheado de características góticas, o romance possui personagens inesquecíveis e transformadores, como a figura do misterioso Rochester, patrão de Jane e peça vital da narrativa.

O livro mais célebre de Charlotte Brontë conta sobre a órfã Jane Eyre – desde seus 10 aos seus 19 anos. Sua história começa com um tratamento cruel sob o teto da sua tia, morando de favor e em péssimas condições, submetida sempre aos maus tratos de seus primos. Por causa do seu “mau comportamento”, Jane é enviada a uma escola de moças, onde evolui lindamente por 8 anos, se tornando uma professora exemplar durante seus dois últimos anos por lá. Em busca de novas aventuras, Jane consegue um novo trabalho como governanta e professora de uma menina em Thornfield Hall. Lá ela conhece o misterioso Mr. Rochester – e cai de amores por ele.



O livro é narrado por Jane anos depois de tudo isso. Ela está dividindo com o leitor suas experiências como em um diário. A linguagem, portanto, é pessoal e direta. Ela não se esconde em metáforas para explicar suas opiniões. Já na casa da Sra. Reed percebemos que Jane Eyre não é uma menina comum. Ela é questionadora e, ainda que assustada, fala o que pensa. De fato, ela é considerada uma criança terrível para a época porque crianças e, principalmente, meninas devem se comportar e aceitar o que lhes é imposto. Mas Jane parece não se importar com isso. Na escola, ela questiona até mesmo os princípios religiosos que tentam enfiar guela abaixo nos alunos. Quer dizer, em 100 páginas eu já estava encantada com essa menina.

Por exemplo, quando o Sr. Rochester – patrão dela em Thornfield – pergunta se ela não concorda que ele é superior a ela por ser mais velho, Jane responde:

“Eu não acho, senhor, que tenha o direito de me comandar só porque é mais velho do que eu, ou porque viu mais do mundo do que eu. O seu direito à superioridade depende do que fez com seu tempo e experiência.” 


O enredo, para quem leu Jane Austen, não é tão diferente. E, assim como Austen, Charlotte consegue criar uma personagem feminina forte e segura de si, que nos ensina muito. Jane Eyre é muito reflexiva, e isso é algo incrível. Entramos nos pensamentos da personagem e nos identificamos com ela, concordamos com a sua maneira de ver o mundo. E a admiramos por isso. Charlotte Brontë foi uma das autoras que contestou costumes de sua época. Assim, ela conseguiu reproduzir, por meio de Jane Eyre, algumas de suas inquietações.

“Espera-se das mulheres que sejam calmas. Mas elas são como os homens. Precisam exercitar suas faculdades, necessitam de um campo para expandir seus esforços, assim como seus irmãos. Sofrem com as rígidas restrições, a estagnação absoluta, tanto quanto os homens sofreriam. É tacanho por parte desses seres mais privilegiados dizer que elas devem se limitar a fazer pudins e a tecer meias, a tocar piano e a bordar bolsas. É insensato condená-las, ou rir delas, quando buscam fazer ou aprender coisas novas, além do que os costumes determinam que é o ideal para seu sexo.”

O livro nos conta, essencialmente, o crescimento de Jane e seus pensamentos sobre crescer pobre, manter-se pobre, encarar pessoas ricas de frente que acham que ela e seu bando são um “aborrecimento”, apaixonar-se pela primeira vez, cair do cavalo e, enfim, é sua autobiografia. E pode parecer mundano…e é. Mas nas mãos de Charlotte Bronte virou uma história que vale a pena ser lida. Quando você acha que está quase no fim e tudo vai se resolver, Bronte te derruba do cavalo a tapa. Mal dá para contar as reviravoltas desse enredo.


Até mais Blog Ta Lendo??? ❤💓😍

Nenhum comentário:

Postar um comentário