quarta-feira, 18 de abril de 2018

Resenha - Quase uma Rockstar

Livro: Quase uma Rockstar
Autor:  Matthew Quick
Editora: Intrínseca 
Páginas: 256 páginas
Nota: ★★★★

Sinopse:  Amber Appleton tem dezessete anos, está no ensino médio e mora em um ônibus. Desde que o namorado da mãe as expulsou de casa, Amber, a mãe e Bobby Big Boy, o leal vira-lata da adolescente, estão acampados no Amarelão, o transporte escolar que a mãe de Amber dirige. Apesar de as coisas não estarem boas para o seu lado, Amber, que se autoproclama Princesa da Esperança, se recusa a desistir. Em vez disso, ela foca todas as energias em ajudar as pessoas à sua volta: incluem-se aí a mãe alcoólatra, os amigos estranhos e excluídos, o Padre Chee e as Divas Coreanas por Cristo, uma octogenária cega e pessimista e um veterano de guerra solitário que escreve haicais. Mas quando uma tragédia faz seu mundo desabar por completo, Amber não consegue mais enxergar a vida com os mesmos olhos. Será que no meio de tanta tristeza e sofrimento ela vai recuperar a esperança?

Amber Appleton tem 17 anos e uma personalidade incomum para as meninas de sua idade, é uma otimista incansável (confesso que as vezes chega a cansar). Mas nada e nem ninguém  derruba sua fé,  e segue em frente tentando fazer sempre o melhor possível por todos. E o mais estranho sobre toda essa atitude positiva, é que sua vida não é nada fácil. Amber mora com a mãe e seu cachorro, Bobby Big Boy (3B), em um ônibus escolar (sim aqueles ônibus amarelos que vemos nos filmes americanos), desde que o último namorado de sua mãe as expulsou de casa. A mãe passa as noites nos bares, achando que dessa vez vai arrumar um cara rico e legal para terem onde morar (sim, esse é o pensamento dela). Amber não tem roupas adequadas para o frio, não tem comida, nem onde dormir e fora tudo isso ainda se preocupa com a mãe bêbada que não se alimenta direito desde sua decepção amorosa no dia de ação de graças. Amber nunca questionou sua fé em Deus, em JC (Jesus Cristo, como o chama), e nem perdeu sua vontade de ajudar as pessoas. Amber é a princesa da esperança, arrasa tanto que é quase uma rockstar! Quando não está na escola, passa a maior parte do tempo na casa de Donna, a mãe de seu melhor amigo, Ricky Roberts. Donna é uma pessoa tão do bem, tão humana que compra até ração para o 3B, faz coisas legais para Amber e nunca a julga, só oferece sua ajuda sem pedir nada em troca. Mas é claro que ninguém sabia do que realmente estava acontecendo na vida da menina quando não está lá na casa da Donna ou na escola.

Temos também o clube do cinco, eles são seus melhores amigos, passam o tempo livre no Clube de Marketing, com o Sr. Franks, um professor não muito bem visto pela direção da escola. Lá eles podem se divertir sem sofrer “bullying” pelos populares do colégio ou se sentirem excluídos, lá todos são iguais. Amber também ensina inglês na igreja coreana para as DCPC (Divas Coreanas por Cristo) que é sensacional quando você esta nesta parte do livro e confesso que eu adorei o padre Chee e visita aos velhinhos do asilo local (Joan foi uma joia rara, leia você vai entender). Amber espalhava vida e alegria por onde ia... até que não mais, até que algo terrível acontece.

Uma tragédia que mais cedo ou mais tarde iria acontecer, acontece e tentamos não acreditar que realmente aconteceu. Então,  Amber não consegue mais enxergar a vida com alegria. Ser positiva ou acreditar em JC. E confesso que as visitas diárias do Padre Chee faziam meus olhos lacrimejar e o nó na garganta aumentar. 

- A vida continua - diz ele. - Não importa se escolhemos aproveitá-la ou não. Então é melhor você achar um jeito de aproveitar as partes que pode. Não dá para simplesmente desistir de viver, Amber. 

E é nas perdas que nós encontramos quem realmente nos ama, com a perda da mãe Amber acaba indo morar com Donna no qual descobre toda a sua história e pede a guarda de Amber para ela, e seus inseparáveis amigos tentando animar, mas passam-se meses que Amber não tem mais os brilhos nos olhos e nem o sorriso cativante, até que 3B precisa de sua ajuda e é incrível, o quanto uma multidão consegue fazer algo bom e sem pedir nada em troca.

Leia o livro, tenho certeza que ele irá renovar a sua fé e nunca tire conclusões precipitadas das pessoas, saiba o porquê que a pessoa é desse jeito, as vezes sua história pode mudar a sua vida. 
Esse é um daqueles livros que não conseguimos denominar com apenas um adjetivo pois ele é tocante, apaixonante, emocionante, engraçado e dolorido, tudo ao mesmo tempo. 

E você, tá lendo?



Nenhum comentário:

Postar um comentário