sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Resenha - O Príncipe Leopardo

Título: O Príncipe Leopardo – Trilogia dos príncipes #2
Autor: Elizabeth Hoyt
Editora Record
Nota: ★★

Sinopse: O segundo livro da aguardada série de romances de época com uma forte pitada de erotismo! A única coisa que uma dama jamais deve fazer... Lady Georgina Maitland não quer um marido, embora ela pudesse ter um bom administrador para cuidar de suas propriedades. Ao pôr os olhos em Harry Pye, Georgina percebeu que não estava lidando apenas com um criado, mas com um homem. É se apaixonar... Harry conheceu muitos aristocratas — incluindo um nobre que é seu inimigo mortal. Mas nunca conheceu uma dama tão independente, desinibida e ansiosa para estar em seus braços. Por um criado. Ainda assim, é impossível ter um relacionamento discreto quando ovelhas envenenadas, aldeões assassinados e um magistrado furioso tumultuam o condado. Os habitantes culpam Harry por tudo. Enquanto tenta sobreviver em meio à desconfiança e manter o pescoço de Harry longe da forca Georgina não quer perder outra noite de amor.

O livro o Príncipe Leopardo é o segundo livro da Trilogia dos Príncipes da autora Elizabeth Hoyt . E começamos A história conhecendo a Lady Georgina viajando para Londres , uma mulher de 28 anos, solteira e que acabou herdando todas as terras do pai que faleceu, mas o que mais chama atenção da Lady é o fato dela não querer e nem precisar de um homem para lhe fazer feliz, afinal ela é uma mulher independente e se sente completa (até então), porém o que seria uma viagem tranquila e normal para Londres, acaba sendo uma aventura, pois a carruagem acaba quebrando e seus cavalos fugindo então seu fiel criado Harry Pye (administrador de seu terreno em Londres), então  a Lady e o Harry acabam passando a noite num casebre sem qualquer recurso, mas calma nada acontece (só na cabeça do Harry). Então após passar a noite no casebre, eles conseguem uma carona (de carroça) até a fazenda da Lady Georgina, e quando chegam na casa, somos levados para uma série de acusações se referindo ao criado Harry Pye.

Quando eles chegam na terra da Lady eles descobrem que várias ovelhas foram envenenadas, rações estragadas, riachos poluídos e tudo leva a acreditarmos que foi obra da Harry, mas Lady Georgina não acredita e o defende até o fim, e com o passar da história descobrimos que Harry teria fortes indícios que poderiam levar a crer que era realmente ele (o matador de ovelhinhas), devido a uma desavença do passado, mas acabamos descobrindo uma pessoa que perdeu muito devido a algumas tragédias pessoais, mas aprendeu mais ainda mais. Harry não é aquele personagem que te cativa logo de cara, mas eu o considero um personagem cebola, a cada camada descascada o conhecemos mais e vamos descobrindo coisas que nos levam a gostar dele. Então ele não é um ogro o tempo todo.



E a história toda se dá em volta desse mistério de quem matou as pobres ovelhinhas, vou confessar que a história do casal não me agradou de fato, achei forçado as situações, e me incomodou muito o fato de Harry sempre se acha inferior e não pode ter uma relação de verdade com a Lady, sem que alguém da sociedade e até mesmo a família de Lady o julguem como uma pessoa que só quer se casar com a Lady para ter toda a sua fortuna herdada pelo pai. Nós já sabemos que esses romances tendem a serem clichê no final e sempre ter um final feliz, mas faltou algo a mais, o casal no meu ver era muito café com leite, pra quem se achava um chocolate quente. E sempre gosto de frisar que há uma linha bem tênue entre um livro ser erótico e ser vulgar e em diversas partes do livro, eu não me senti num romance de época, parecia que eu estava lendo Portia da Costa então ao meu ver o vulgar ganhou mais do que o erótico e não me agradou e o termo romance de época é apenas um rótulo. 


“Eu posso ser um servo, mas não sou burro. Você passou o dia todo com seus três irmãos aristocratas. O que mais poderia ser além da minha dispensa?”

Mas no geral a leitura é boa para passar o tempo e ficar conversando com as amigas sobre quem era o responsável da morte das ovelhas, mas não para suspirarmos sobre o amor sublime amor do casal protagonista da história.

E você, tá lendo ?

Um comentário:

  1. Oie! Não sou muito chegada a livros hot, ainda mais quando eles pegam mais para o vulgar... tem gosto para tudo nesse mundo, verdade, mas não é para mim esse tipo de literatura... rs
    Bjks!

    Mundinho da Hanna

    ResponderExcluir