sábado, 29 de setembro de 2018

Viajando pelo Brasil #3

Chegou a hora de viajar! O projeto já passou por São PauloRio de Janeiro agora chegou a vez de conhecer a terra do pão de queijo!!!

Sim, estamos falando de Minas Gerais!!! E para representar esse estado escolhemos a jornalista e escritora  Daniela Arbex.



Daniela Arbex nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais e se formou em jornalismo pela universidade federal de Juiz de Fora.
É autora do best-seller Holocausto Brasileito, ( que ainda não tive coragem de ler) e em 2014 ganhou o segundo lugar de Melhor Livro-Reportagem no prêmio Jabuti. O primeiro lugar viria em 2016 com o livro Cova 312.
O blog escolheu seu último lançamento Todo dia a mesma noite, para resenhar e integrar ao Projeto Viajando pelo Brasil.
A resenha você encontra aqui!


O livro não nasceu do dia para noite, foram dois anos de trabalho!!!! Até agora foi o livro mais difícil que já lemos!!!

Temos outra mineirinha por aqui, na verdade ela foi uma das primeiras a aparecer aqui no blog! 


Estamos falando de Angélica Pina, natural de Belo Horizonte!!! Lemos em 2016 seu primeiro livro Quilômetros de Saudades.

Resenha


Essas foram as duas representantes de Minas Gerais que passaram pelo blog!!!
E vocês quais autores mineiros já leram?
Nossa próxima parada será no Espírito Santo!!! Será que conhecemos algum autor???
Confesso que estou ficando temerosa de não conseguir terminar o projeto!
Abraços

E você Tá Lendo?














sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Resenha - Todo dia a mesma noite

Adicionar legenda
Livro: Todo dia a mesma noite
Autor: Daniela Arbex
Editora: Intrínseca
Páginas:240

Sinopse: Reportagem definitiva sobre a tragédia que abateu a cidade de Santa Maria em 2013 relembra e homenageia os 242 mortos no incêndio da Boate Kiss.

Daniela Arbex reafirma seu lugar como uma das jornalistas mais relevantes do país, veterana em reportagens de fôlego - premiada por duas vezes com o prêmio Jabuti - ao reconstituir de maneira sensível e inédita os eventos da madrugada de 27 de janeiro de 2013, quando a cidade de Santa Maria perdeu de uma só vez 242 vidas.

Foram necessárias centenas de horas dos depoimentos de sobreviventes, familiares das vítimas, equipes de resgate e profissionais da área da saúde - ouvidos pela primeira vez neste livro -, para sentir e entender a verdadeira dimensão de uma tragédia sobre a qual já se pensava saber quase tudo. A autora construiu um memorial contra o esquecimento dessa noite tenebrosa, que nos transporta até o momento em que as pessoas se amontoaram nos banheiros da Kiss em busca de ar, ao ginásio onde pais foram buscar seus filhos mortos, aos hospitais onde se tentava desesperadamente salvar as vidas que se esvaíam. Foi também em busca dos que continuam vivos, dos dias seguintes, das consequências de descuidos banalizados por empresários, políticos e cidadãos.

A leitura de "Todo dia a mesma noite" é uma dolorosa e necessária tomada de consciência, um despertar de empatia pelos jovens que tiveram seus futuros barbaramente arrancados. Enxergá-los vividamente no livro é um exercício que afasta qualquer apaziguamento que possamos sentir em relação ao crime, ainda impune.




Assim que estou após o término dessa leitura.
Resolvi encarar a leitura, pois, escolhi a Daniela Arbex, para representar o Projeto Viajando Pelo Brasil, mas, não tinha me dado conta de quanto seria angustiante a leitura, realmente essa é a história não contada da boate Kiss.

Infelizmente conheci Santa Maria através da tragédia, tragédia essa explorada exaustivamente pela mídia e diria ao mesmo tempo encoberta, coberta, pela mídia...Apenas mostraram o que pudéssemos ver, mas, a jornalista Daniela, em seu livro narra a história crua. Durante a leitura, muitas vezes fechei o livro para recuperar o folego e a coragem, o sofrimento é palpável...

Fiquei pensando após a leitura, as pessoas mencionam a tragédia, mas, após o término do livro classifico como o pior assassinato de todos os tempos...

 "...a boate jamais estivera 100% regularizada. Inaugurada em julho de 2009, a casa noturna começou a funcionar sem que as obras no prédio tivessem sido aprovadas pela prefeitura." Pág. 194
  "...logo viria à tona o fato de a boate estar funcionando com Alvará de Prevenção contra incêndio vencido e em condições inadequadas, apesar de ter sido vistoriada pelo Corpo de Bombeiros e por fiscais da Prefeitura de Santa Maria." Pág. 106
Então, como podia estar funcionando???

Foi dado um "jeitinho brasileiro", agora me pergunto existe "jeitinho" para desfazer tudo o que ocorreu? NÃO.

Daniela conversou com pais, irmãos, enfermeiros, médicos, bombeiros, pessoas que de algum modo vivenciaram essa tragédia, são depoimentos marcantes que nos aproximam da dor dessas pessoas...
Vamos conhecer através da narrativa, a história de alguns desses jovens, pais lembrando da ultima despedida, mães com algum pressentimento de que algo ia acontecer...
A narrativa é detalhista, envolvente, você consegue perceber e em muitos momentos sentir a dor daquelas pessoas, o desespero...

Essa leitura também faz parte do desafio do grupo do face "Desafio das Estrelas" com o tema Raiva.
Nunca escolhi um livro tão apropriado para o tema como esse!!!
E você Tá Lendo?


quarta-feira, 26 de setembro de 2018

Setembro Amarelo!

Hoje o post é diferente!!!
Você sabe o que é Setembro Amarelo???

Setembro amarelo é uma campanha do Centro de Valorização da Vida que busca trazer o diálogo sobre o suicídio para a sociedade. Desde 2015 o mês busca a conscientização e a prevenção do suicídio.
Criada em 2015, a campanha visa quebrar o tabu e conversar sobre o assunto.
Realmente é um assunto muito difícil e triste...Acredita-se que 90% das pessoas já pensaram nisso alguma vez na vida...


E por que amarelo???


A cor amarela é usada para representar o mês da prevenção do suicídio por causa de Dale Emme e Darlene Emme. O casal foi o início do programa de prevenção de suicídio “fita amarela”, ou “Yellow Ribbon” em inglês.
Em 1994, Mike Emme, filho do casal, com apenas 17, se matou. Mike era conhecido por sua personalidade caridosa e por sua habilidade mecânica. Restaurou um Mustang 68 e o pintou de amarelo. Mike amava aquele carro e por causa dele começou a ser conhecido como “Mustang Mike”.
Entretanto, infelizmente, aqueles próximos de Mike não viram os sinais e o fim da vida do garoto chegou. No dia do funeral dele, uma cesta de cartões com fitas amarelas presas a eles estava disponível para quem quisesse pegá-los. Os 500 cartões e fitas foram feitos pelos amigos de Mike e possuíam uma mensagem: Se você precisar, peça ajuda.
Os cartões se espalharam pelos Estados Unidos. Em poucas semanas começaram a aparecer ligações. Um professor de outro estado havia recebido um dos cartões de uma aluna, pedindo por ajuda. Diversas cartas chegavam de adolescentes buscando ajuda.
A fita amarela foi escolhida como símbolo do programa que incentiva aqueles que têm pensamentos suicidas a buscar ajuda.


E por falar em história, esse são nossos livros com capas amarela!!!

E vocês, tem algum livro com capa amarela???
Abraços e até a próxima!!!


segunda-feira, 24 de setembro de 2018

Resenha - Aos Perdidos com Amor

Livro: Aos Perdidos com Amor.
Autor: Brigid Kemmerer
Editora: Plataforma 21
Páginas:450

Sinopse: Juliet Young sempre escreveu cartas para sua mãe. Mesmo depois da morte dela, continua escrevendo – e as deixa no cemitério. É a única coisa que tem ajudado a jovem a não se perder de si mesma. Já Declan Murphy é o típico rebelde. O cara da escola de quem sempre desconfiam que fará algo errado, ou até ilegal. O que poucos sabem é que, apesar da aparência durona, ele se sente perdido. Enquanto cumpre pena prestando serviço comunitário no cemitério local, vive assombrado por fantasmas do passado. Um dia, Declan encontra uma carta anônima em um túmulo e reconhece a dor presente nela. Assim, começa a se corresponder com uma desconhecida... exceto por um detalhe: Juliet e Declan não são completos desconhecidos um do outro. Eles estudam na mesma escola, porém são tão diferentes que sempre se repeliram. E agora, sem saber, trocam os segredos mais íntimos. Mas, aos poucos, a vida real começa a interferir no universo particular das confidências. E isso pode separá-los ou uni-los para sempre. Entre cartas, e-mails e relatos, Brigid Kemmerer constrói uma trama intensa, repleta de descobertas e narrada sob o ponto de vista dos dois personagens. Uma história de amor moderna de arrebatar o coração.

Acreditem esse foi o único livro da minha lista para bienal que comprei, lógico que comprei outros, mas, esse estava na minha lista há um tempinho. E que livro maravilhoso!
Não é uma leitura fácil, sentimentos diversos estiveram presente durante a leitura...Raiva, amor e ódio tudo misturado...Sensação de impotência, de culpa vão fazer parte da leitura...
"...as vezes voce chega a um ponto em que dói demais, tanto que você quer fazer qualquer coisa para se livrar da dor. Mesmo que essa coisa venha a machucar outra pessoa." Pág. 106
Vamos acompanhar o dia a dia de dois adolescente que sofreram uma perda terrível...Nada os preparou para o que estava por vir, quando temos alguém doente na família, e sabemos que as chances de recuperação são mínimas, por mais doloroso que possa ser, e é, vamos nos preparando para a despedida...Agora quando o destino, simplesmente resolve tirar de você algo, sem aviso, o "baque" é muito maior...Ninguém consegue entender a dor, e muitas vezes, quem esta sofrendo  não consegue olhar para frente e ver que alguém também está sofrendo por ver o seu sofrimento, não consegue perceber que esse alguém quer apenas sentar ao seu lado, não há como fazer o outro parar de sofrer, mas, conseguir perceber que você não estão sozinho dá um tremendo alivio e força para você começar a se reerguer... Outras vezes, realmente, não temos ninguém ao nosso lado, o levantar é mais difícil, mas, não impossível...É necessário deixar o orgulho de lado e dizer: "Ei, estou aqui!"


Juliet perdeu a mãe e ainda não conseguiu superar...Como antes escreviam cartas, pois, o trabalho de sua mãe exigia viagens constantes. mesmo após a morte de sua mãe Juliet continua escrevendo e leva essas cartas no cemitério..Isso acontece diariamente...Ela frequenta uma escola, ela tem amigos, um pai, mas, está completamente perdida e ninguém sabe ou consegue ajudar...

O outro adolescente é Declan que também sofreu uma grande perda e sente-se responsável pelo o que aconteceu...Sem saber como lidar com isso Declan resolve se esconder atrás da fama de bad boy, um garoto problema, que não consegue encontrar apoio nem dentro da sua própria família, pois essa, também se encontra em pedaços...Todos gritando por ajuda, mas, ao mesmo tempo, todos surdos e mudos, mergulhados na sua própria dor, no seu próprio mundo...


O livro é narrado em primeira pessoa, ora vamos "ouvir" Juliet, ora Declan...E ambos conseguiram através de trocas de carta, sim, eles vão trocar cartas, abafar um pouco o sofrimento de cada um...
Engraçado como o fato de serem estranhos vão possibilitar que se abram um com o outro, pois, um não conhece o outro... Não existe julgamento, eles não precisam temer... Deveríamos ter coragem de falar com um amigo, mas, temos medo do que vão pensar...E é ai que nos calamos...
Durante a leitura, o sofrimento de ambos é palpável...
"...O silencio machuca os meus ouvidos e me dá tempo demais para pensar." Pág. 23
 E o amadurecimento perceptível...
"...Quando tudo ao seu redor está perdido, só há um caminho a seguir: para a frente." Pág.65
E você, tá lendo?

domingo, 23 de setembro de 2018

Resenha - A promessa do tigre (Conto)

Livro: A Promessa do Tigre
Autora: Colleen Houck
Páginas: 128 páginas
Editora: Arqueiro
Nota: ★★★★

Sinopse: Medo. Esperança. Dúvidas. Antes da maldição, uma promessa.
Mais de 300 anos antes de Kelsey Hayes surgir na vida de Ren e Kishan, uma jovem cruzou o caminho dos príncipes. Seu amor por um deles mudou o curso da história e o destino da família Rajaram.
'A promessa do tigre' conta a origem da história dos príncipes Ren e Kishan e os acontecimentos que levaram às aventuras da aclamada série 'A maldição do tigre'.

Neste conto, conhecemos a história de Yesubai, gosto de chama-la de culpada por tudo o que aconteceu com tigre, e também por ter se ‘engraçado’ para o lado de Kishan enquanto estava noiva do Ren, mas toda história tem dois lados e nos livros vimos diferentes histórias tanto de Kishan quanto de Ren, mas nunca soubemos o lado da história de Yesubai, e ao mesmo tempo que eu tenho raiva eu tenho compaixão e dó ao mesmo tempo.

Percebi que neste conto, vimos o quanto o ser humano pode ser repulsivo, pois quando a mulher de Lokesh deu à luz a uma filha Yesubai, ele vendo que era uma menina, imediatamente matou a mulher por ter parido uma menina e não um menino que ‘reinaria’ ao seu lado. Com isso Lokesh trancou Yesubai para que ninguém soubesse da sua existência, e raramente aparecendo para visita-la. Ela foi sua prisioneira por anos (16 anos para ser exata), até adolescência víamos o quanto ela era submissa e fazia todas as vontades do pai, afinal ela sabia que se desobedecesse, o final que a aguardaria. 

"...qualquer criatura, mesmo tão despretensiosa quanto um peixe, pode se tornar algo poderoso. Quando enfrentam as provações da vida com coragem, todos encontram seu destino."

Com o passar do tempo Lokesh percebeu que sua filha podia ser feita como uma moeda de troca, afinal ela era uma moça muito bonita com seus olhos de cor violeta e seu cabelo de cor de ébano, ele a ofereceria para o Rei em troca entraria para o reino, assim que ela se casasse com um dos príncipes, e lógico, a sequência seria matar todos (O Rei e os príncipes e todos que estivesse no momento certo e na hora errada) que pudessem colocar seu trono em perigo. Só que não somente fez com que sua filha fosse oferecida, como pediu que Yesubai se infiltrasse no reino dos príncipes e conseguisse sabe o esconderijo onde ficavam os amuletos que dariam todo poder para ele.

“Um homem bonito podia ser tão cruel quanto um que fosse feio. Eu já tivera muitas experiências desconfortáveis com homens para confiar num deles simplesmente por sua aparência”.

Porém ao ser prometida para Ren, ela conhece seu cunhado Kishan e é onde o coração dessa mocinha tão submissa foi a ladeira abaixo, ela se apaixonou pelo cunhado. E quando pensamos que podíamos ter um final feliz, uma tragédia sem tamanho acontece, vendo que o casamento da filha não iria acontecer com Ren por conta da traição com seu cunhado, Lokesh decide matá-la na frente de Kishan, rouba os amuletos e conjura a maldição para os príncipes onde imediatamente se transforam em tigres, Kishan o tigre negro e Ren o tigre branco. E é aí começa essa série que tanto amamos. 

Com esse conto finalizamos nossa participação na maratona!!!

 



E você, tá lendo?





sábado, 22 de setembro de 2018

Resenha - O sonho do tigre - (Tiger's Dream) #5

Livro: O Sonho do Tigre #5 (Tiger’s Dream)
Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Páginas: 608 páginas
Nota: ★★★★★

Sinopse: Com a derrota do feiticeiro Lokesh, só parecia restar ao príncipe Kishan Rajaram passar a eternidade cumprindo a promessa de proteger a linda e irascível deusa Durga. Preso no passado, ele sofre depois que seu irmão, Ren, e Kelsey, a garota que ambos amam, voltam ao presente e começam a viver o seu “felizes para sempre”.
Então, quando o xamã Phet aparece pedindo sua ajuda para salvar Kelsey, Kishan agarra a oportunidade com unhas e dentes, disposto a voltar atrás na sua decisão de ficar no passado e assim mudar seu destino. O tigre negro está prestes a descobrir que aquilo que parece o fim pode ser apenas um recomeço...

Enfim, chegamos ao último livro dessa série tão amada, e confesso que quando foi lançado esse livro, eu entrei numa espécie de frenesi continuo (kkkk), pois não sabia o que esperar desse livro tão único. Esse é aquele tipo de livro que ou você ama ou você odeia, não tem meio termo.

Em o sonho do tigre, vemos todas as aventuras que nosso amado trio passou, porém de uma perspectiva um tanto quanto peculiar. E para começar, voltamos para o dia fatídico que os pais da Kelsey morreram e essa cena é de cortar o coração e a Kelsey só se salvou porque uma pessoa que a ama muito a protegeu. É difícil falar desse livro, sem dar nenhum spoiler, então aqui vai, cuidado! Não leia se você não quer saber o que vem por aí.  



O Sr. Kadam volta no tempo em que Kishan está vivendo com Durga e pede a coisa talvez mais difícil de se fazer para Kishan, pede para que Kisham e Durga voltem no tempo, na época em que a maldição foi lançada aos nossos amados tigres. Só que qualquer coisa que Kishan faça que seja em prol dele ou de Kelsey ou de Ren, poderá alterar o futuro de todos. Agora você imagina a situação de Kishan tendo o poder de mudar seu destino como o tigre de ébano da Durga e podendo ser feliz com Kelsey no futuro e o Ren sendo o tigre da Durga, nossa que confusão! Confesso que foi esquisito reler todos os eventos dos livros anteriores porem sob a visão de Kishan, que no começo se mostra um tanto quanto egoísta em relação a seu sacrifício.



Porém o coração de Kishan está dividido, ao mesmo tempo que ele ama Kelsey enlouquecidamente, o sentimento crescente entre ele e a Durga cresce a cada dia, mas aí você pensa, eu achava que ele sempre tinha uma quedinha pela Durga, principalmente nos livros anteriores, mas esse dois parecem mais o casal Petruccio e Catarina, Kishan e Anamika (Durga), dois turrões que se amam, mas possui medo de se relacionarem e o principal de se entregarem a esse amor.



O final é de derreter os corações dos mais duros, temos a nossa redenção do nosso quarteto preferido, isso mesmo quarteto (Ren, Kelsey, Kishan e Durga), e temos que nos despedir novamente daqueles a quem tantos nos apegamos. Porém sacrifícios precisam ser feitos para que todos possam ser felizes. Tudo estava escrito, antes mesmo de qualquer coisa acontecer.

E por fim, reparem na capa desse livro, vocês perceberam as referências de todos os livros anteriores?
Vamos começar pela Durga, a mão da Durga está a nossa querida Fanindra que ao invés de ser uma pulseira ela em formato de anel, os braços de Anamika (Durga) tem mais de um conjunto e todos estão em contato com o nosso querido Kishan, o olhar, a cada capa de livro dessa saga é focada nos olhos (repararam?), roupas, eles não estão se vestindo como antigos guerreiros e sim estão com roupas modernas. Agora vamos para o Kishan, Kishan se mostra na capa com barba e com um semblante um pouco mais velho e isso tem tudo a ver com o propósito do livro, Flor de lótus que está na capa ao lado de Kishan está na maldição do tigre, A espada que Kishan segura, nos mostra que a sua luta ainda não acabou (entendeu?), o amuleto que no último livro tinha sido totalmente destruído está totalmente restaurado, e por fim as cores da capa, ouvi tanta opinião que a capa tinha ficado horrível, eu adorei, as cores dourado e preto tem um motivo muito especial, então leia a capa e você entenderá a história toda.





E você, tá lendo ?



sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Resenha - O destino do tigre - (Tiger’s destiny) #4


Livro:  O destino do tigre #4 (Tiger’s destiny)
Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Páginas: 400 páginas
Nota:★★★★★

Sinopse: Com três profecias da deusa Durga solucionadas, agora resta apenas uma no caminho de Kelsey, Ren e Kishan para que a maldição seja quebrada. Mas o maior desafio do trio os aguarda: A busca pelo último presente de Durga – A corda de fogo – na Ilha Barren situadas na Baía de Bengala. Uma busca que ameaçará suas vidas. É uma corrida contra o tempo e o malvado feiticeiro Lokesh – neste ansiosamente aguardado quarto livro da série A Maldição do Tigre – colocará o bem contra o mal, testará laços de amor e lealdade, e, finalmente, revelará o verdadeiro destino do Tigre, de uma vez por todas.

Sabe aquele livro que te deixa atônita do começo ao fim? É esse livro, no inicio vemos o quanto Kelsey está padecendo na mão do demoníaco Lokesh, que em sua sede de poder quer gerar um filho com Kelsey para que ele seja o retentor do poder tanto do lado sombrio dele quanto o lado bom e poderoso de Kelsey, só que Kelsey é malandra e consegue escapar de poucas e boas até que os irmãos chegam para seu resgate, confesso que essa é a única parte que eu achei que podia ter mais ação, mas entendo que o livro tem muita coisa para acontecer e precisava ser ‘rápido’ sem muito fru-fru, afinal temos a última parte da profecia a ser solucionada.



E depois desse resgate temos que nos despedir de uma pessoa que desde o primeiro livro em a maldição do tigre, conquistou meu coração e toda a minha admiração, que personagem! Mas sacrifícios precisam ser feitos e após essa perda seguimos com o destino de recuperar a corda de fogo da Durga, vale ressaltar que cada livro se refere a um elemento, e esse temos o elemento fogo 🔥.




E após salvar os tigres (que alias acontece várias vezes nesse livro), nos vemos de volta ao passado para enfim o nosso trio amado conseguir destruir Lokesh e nesse ponto, nos vemos de volta ao século 320 A.C. (sim, você leu certo) e neste cenário encontramos a Durga, uma amazona que enfrenta tudo para poder ter o controle de seu exército, no qual dão abrigo e se unem aos príncipes para enfim acabar com Lokesh. Confesso que eu não gostei da Durga personificada e fiquei com um nó na garganta quando a Durga se empertigou com Ren, alegando que ele era o seu consorte. Eu pude sentir toda a dor que a Kelsey sentiu ao se ver sendo colocada para escanteio nessa ‘tribo’, vendo seus guerreiros trabalhando 24 horas para a Durga e depois de passar por tanto perreio perder todas as suas armas para ela, (tá legal, sempre foi da Durga, mas até Fanindra a abandonou).



E então, o grande dia chegou, e como a profecia dizia, Durga iria montada sob seu tigre, sendo assim Kelsey, por ser a escolhida a quebrar a maldição se transformou em Durga também, mas apenas conseguiu ficar em cima de Ren, quando tentava subir em Kishan algo a empurrava, e a conexão entre Ren e Kelsey vai ao ápice, ambos se rendem e encontram a salvação que tanto um quanto o outro buscava. Porém nem tudo são flores, Lokesh consegue machucar Ren mortalmente e apenas com um sacrifico é capaz de salva-lo. E é aí que nos ‘despedimos’ e choramos junto com Kelsey, Kishan fazia parte da profecia, e ele teve que ficar com a Durga como seu tigre de ébano, como já dizia as escrituras.

“Vocês encontraram as quatro oferendas de Durga.
- Também oferecemos sacrifícios em seu templo – disse Kishan.- Sim, mas neste caso os cinco sacrifícios mencionados não são de natureza material. Até agora vocês ofereceram quatro dos cinco sacrifícios. O primeiro foi quando Ren abriu mão de suas lembranças de Quel-si para salvar a vida dela.Ren apertou a minha mão enquanto eu prendia a respiração.
- O segundo foi quando o Sr. Kadam deu a vida para mandar Lokesh para o passado.
Agarrei-me ao braço de Kishan, as lágrimas brotando nos meus olhos.- O terceiro sacrifício foi quando Quel-si se entregou a Fênix como uma esposa sati. Seu corpo queimou para que os tigres ficassem em segurança. O quarto sacrifício aconteceu ontem, quando Kishan desistiu de parte da própria imortalidade para trazer de volta a vida do irmão.Minha boca de repente ficou seca.- Então o quinto sacrifício?- Deve ser oferecido antes que vocês possam retornar.... Durga precisa de um tigre....”


E assim terminamos a resenha do quarto livro dessa serie maravilhosa, eu sou uma pessoa difícil de se emocionar com livros, mas se tratando de alguns temas e autoras meu coração fica em frangalhos, e esse foi um livro que eu li com um lencinho do lado. Toda a série é maravilhosa, a magia que te envolve por trás da cultura indiana te faz ficar enlouquecido desde a primeira página do primeiro livro.  As referencias a diferentes culturas, incluindo poemas únicos, contos e muito folclore, enriquecem a trama toda de maneira espetacular e que faz suspirar e é inevitável que o leitor se apaixone perdidamente por esse universo que consegue mesclar a realidade e a fantasia de forma primorosa.

E você, tá lendo ?




quinta-feira, 20 de setembro de 2018

Resenha - A viagem do tigre - (Tiger's Voyage) #3

Livro: A viagem do tigre  (Tiger's Voyage) #3
Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Páginas: 496 páginas
Nota: ★★★★★

Sinopse: Perigo. Desolação. Escolhas. A eternidade é tempo demais para esperar pelo verdadeiro amor? Em sua terceira busca, a jovem Kelsey Hayes e seus tigres precisam vencer desafios incríveis propostos por cinco dragões míticos. O elemento comum é a água, e o cenário de mar aberto obriga Kelsey a enfrentar seus piores temores. Dessa vez, sua missão é encontrar o Colar de Pérolas Negras de Durga e tentar libertar seu amado Ren tanto da maldição do tigre quanto de sua repentina amnésia. No entanto o irmão dele, Kishan, tem outros planos, e os dois competem por sua afeição, além de afastarem aqueles que planejam frustrar seus objetivos. Em A viagem do Tigre, terceiro volume da série A Saga do Tigre, Kelsey, Ren e Kishan retomam a jornada em direção ao seu verdadeiro destino numa história com muito suspense, criaturas encantadas, corações partidos e ação de primeira.

O segundo livro acabou de um jeito que deixa qualquer atônito e sem conseguir discernir direito e serviu como uma ponte para o terceiro livro. No segundo livro vimos que Ren foi raptado e sofreu horrores na mão do Lokesh, onde foi submetido a vários tipos de tortura que nem podemos imaginar. No terceiro livro vimos o resgate do Ren e as consequências que esse rapto causou em sua vida.  Num ímpeto de proteger seu amado Kelsey pediu para que a deusa Durga preteje-se Ren, mas ela não sabia que as consequências desse pedido poderiam ser fatais para o seu relacionamento com ele.

“Essa nova relação de amizade era meio esquisita. Eu não sabia muito bem como falar com este Ren diante de mim. Queria que ele fosse igual ao meu Ren. Em muitos aspectos ele era. Mas como se pode ser a mesma pessoa com um grande pedaço da vida faltando?”


Quando Ren é libertado por Kelsey, ele não a reconhece e acaba dando um soco nela, sem ter a intenção, mas pelo ímpeto de se proteger, Kelsey acha que poder o stress pós-traumático, mas com o passar dos dias Ren age como se não a conhecesse, e acabamos descobrindo que ele apagou toda as suas lembranças onde Kelsey estava e a substituiu por um nada/vazio. Sim, todos os desafios que passaram ele acha que passou sozinho e nunca esteve com Kelsey, fora a amnésia de Kelsey ele também não consegue ficar perto dela, sem que ele passe mal, é como se a Kelsey fosse a sua criptonita. No entanto, com a convivência os dois acabam se aproximando e pensamos, agora vai, Ren volta a se apaixonar por Kelsey, mesmo não conseguindo toca-la, mas seu amor consegue ser maior que sua dor.

“E já que estamos confessando tudo... eu adoro os seus poemas. Para mim, são mais preciosos do que qualquer outra coisa. E... sinto sua falta. É difícil, estranho e perturbador estar perto de você sem estar com você. Ah, e tem mais uma coisa: aquela música, a que você não consegue se lembrar, é uma das que escreveu para mim. E eu prometi... prometi nunca mais abandonar você.”
“Shakespeare também disse: "Não cabe às estrelas controlar nosso destino, mas a nós mesmos". Nós vamos fazer o nosso próprio destino. Vamos moldar a nossa vida do jeito que quisermos. Quero você na minha vida. Escolhi você antes e escolho de novo. Vamos simplesmente ter que lidar com as barreiras físicas. Prefiro estar perto de você desse jeito a estar longe.”

Agora com a profecia traduzida sabemos o destino desse trio, as profundezas do oceano, onde o colar da deusa Durga foi roubado e eles precisam pegar esse colar para conseguir quebra a 3º parte da maldição, só que nenhum dos três (Kishan, Ren e Kelsey), sabem mergulhar  então eles embarcam no seu megaiate (humilde #sqn) e contratam o mergulhador Wes com quem nos divertimos bastante no decorrer da história, no entanto em uma das aulas Kelsey se desespera ao passar por uma enguia e acaba sofrendo um acidente, porém Ren tenta salva-la e só consegue tirar ela do mar, mas acaba passando muito mal e toma uma atitude que deixa todos sem reação.

“ Você está se esquecendo de uma coisa, iadala. O amor não é uma consequência. O amor não é uma escolha. O amor é uma sede... uma necessidade tão vital à alma quanto a água é para o corpo. O amor é um líquido precioso que não só alivia uma garganta seca como também revigora o homem. Dá forças suficientes para que ele se disponha a matar dragões pela mulher que lhe oferece esse sentimento. Se você tirar esse líquido do amor de mim, vou ressecar e virar pó.”



Ele decide terminar com Kelsey e acaba humilhando-a para que ela entenda que ele não a quer mais e como se isso não fosse o suficiente ele surge no iate com um protótipo de Barbie e dilacera o coração de Kelsey (e o nosso também). Com isso Kishan ganha uma vantagem com Kelsey (sim o irmão de Ren é apaixonado por ela e já tinha se declarado), só que no coração não conseguimos mandar, não é mesmo?  Eles se tornam próximos, mas não do jeito romantizado, por mais que Kishan tente, o amor verdadeiro é difícil de morrer e esquecer. E é chegada a hora de enfrentar o mestre dos mares para conseguir o presente da deusa Durga e assim tentar acabar com a terceira parte dessa maldição que assombra nossos tigres queridos, só que nada é tão fácil assim.  E nos vemos num filme do indiana Jonas só que no mar com uma mistura do filme Tubarão Assassino. Esse é aquele tipo de livro que você começa a ler e não consegue parar, a autora consegue nos deixar em cada página com uma reação diferente, horas com o coração na boca, horas com lágrimas nos olhos, e outras com um ódio tão mortal que você quer entrar dentro do livro e dar um chacoalhão em certos personagens.

“- Eu sei que o que eu fiz a magoou, magoou nós dois, e também sei que magoou Kishan. Se eu fosse um homem mais corajoso, deixaria as coisas como estão, mas não consigo. Você perguntou por que sou covarde. Sou covarde porque me nego a ficar sem você. Não sou capaz de imaginar uma existência feliz se você não fizer parte dela. Não consigo se quer considerar essa possibilidade. Então, é melhor se acostumar, porque não vou parar de tentar conquistar você. Se essa for uma batalha pelo seu coração, iadala, então, estou pronto. Mesmo que no fim eu descubra que estou lutando contra você.”


E em um dos desafios o dragão verde, pede que os tigres participem de uma caçada, onde a prenda é a Kelsey, o dragão será o caçado e os tigres terão que escapar de toda as tramoias e armadilhas que o dragão faz, e apenas um dos tigres poderá resgatar Kelsey de seu castelo, quando a caçada termina, os tigres conseguem escapar quase ilesos mas apenas aquele que contém a chave do coração de Kelsey poderá abrir a porta para que ela saia, e é nesse momento que vimos que Kishan não consegue resgatar a sua amada e quando Ren tenta todas as conexões que tinham se perdidos se reconectam e vimos o amor florescer onde só havia escuridão. Ren, sempre será o passado, o presente e o futuro de Kelsey, não tem uma alma viva nesse mundo ou em qualquer outra dimensão que seja capaz de desfazer e reconhecer esse amor de ultrapassa a barreira do tempo entre os dois.

Para muita gente, o amor é uma moeda de duas faces. Pode fortalecer ou enfraquecer, expandir ou encolher, enriquecer ou empobrecer. Quando o amor é correspondido, nós florescemos. Somos levados a alturas jamais vistas, onde ele nos delicia, revigora e embeleza. Quando o amor é tolhido, nós nos sentimos aleijados, desconsolados e deprimidos. Eu sempre amei e sempre vou amar você, Kelsey. Nada na Terra ou nos céus pode mudar esse fato. Se você polir a moeda, vai enxergar apenas o amor correspondido dos dois lados. Fui destinado a amar você e serei seu para sempre.”

Após passarem por poucas e boas por todos os dragões e a cidade dos Sete Pagodes, no último desafio Kelsey tem uma visão devastadora, Kelsey vê Lokesh a sua procura, afinal ele acredita Kelsey é detentora de um poder muito forte e ela é a única capaz de lhe dar um filho homem e não medirá esforços para que seu objetivo se torne realidade, porém Kelsey não conta aos irmãos que teve essa visão, apenas o Sr. Kadam sabe disso e quando chegam no Templo da Praia, eles são abordados  por piratas que não querem saber de seus tesouros, a única missão que eles possuem é raptar Kelsey e entregar a Lokesh que a espera em seu esconderijo, e é dessa maneira que o livro termina, Kelsey sendo raptada e sedada com dardos com tranquilizantes. 

“Acho que não consigo ser tão generoso assim. Sabe, eu a amo desde o momento em que coloquei os olhos nela. Fui torturado a ponto de morrer em nome dela. Eu viajaria o mundo todo para vê-la sorrir, para fazer com que fosse feliz. Quando ela se tornar sua, dragão, e tramar os fios do Lenço em volta do seu coração, provavelmente irei murchar e morrer, porque estou tão preso a ela quanto a trepadeira que se agarra a uma árvore em busca de sustento. Essa mulher me amarrou a ela por toda a eternidade. Ela é o meu lar. É minha razão de ser. Vencer e ficar com o coração dela é minha única motivação.”

E você, tá lendo?





quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Resenha - O Resgate do Tigre - (Tiger's Quest) #2

Livro: o Resgate do Tigre #Tiger's Quest 
Autora: Colleen Houck
Editora: Arqueiro
Páginas: 432 páginas
Nota: ★★★★★

SinopseFé. Confiança. Desejo. Até onde você iria para libertar a pessoa amada? Kelsey Hayes nunca imaginou que seus 18 anos lhe reservassem experiências tão loucas. Além de lutar contra macacos d’água imortais e se embrenhar pelas selvas indianas, ela se apaixonou por Ren, um príncipe indiano amaldiçoado que já viveu 300 anos. Agora que ameaças terríveis obrigam Kelsey a encarar uma nova busca – dessa vez com Kishan, o irmão bad boy de Ren –, a dupla improvável começa a questionar seu destino. A vida de Ren está por um fio, assim como a verdade no coração de Kelsey. Em 'O resgate do Tigre', a aguardada sequência de 'A maldição do tigre', os três personagens dão mais um passo para quebrar a antiga profecia que os une. Com o dobro de ação, aventura e romance, este livro oferece a seus leitores uma experiência arrebatadora da primeira à última página.

O primeiro livro terminou de um jeito que nos deixou com a garganta embolada, querendo amargamente que Kelsey pedisse ao comandante do avião dessa meia volta e voltasse para Índia afim de se retratar e voltar para o Ren. Só que isso não aconteceu, ela começou uma nova fase sua vida, graças a ajuda do príncipe e do Senhor Kadam e lhe deram alguns mimos um tanto quanto não tão convencionais, como uma casa completa, um singelo Porsche, toda a sua faculdade paga e um cartão de crédito ilimitado. E mesmo recusando tantos presentes um tanto quanto exagerado em alguns aspectos, Kelsey resolve aceita-los, porém sempre com certa relutância.

Sabe aquele livro que tira a sua respiração a cada página? É esse, você começa a ler e não quer parar um segundo e quando viu já se passaram quase 200 páginas e você nem sentiu.

Mas de nada adianta ter de tudo sendo que o que realmente queremos está do outro lado do oceano a milhares de quilômetros de distância, e sofrendo em silêncio, pois ela não pode contar a ninguém o que viveu e o que aconteceu na Índia,  Kelsey então resolve se jogar de cabeça nos estudos e se propõe a talvez conhecer alguns garotos que possam fazer seu coração sair dessa depressão que é amar alguém e não poder ficar com esse alguém. Com o passar do tempo, Kelsey faz algumas amizades e em menos de 1 mês ela consegue 3 encontros, o primeiro com o asqueroso Archie que na lista de piores encontros da vida você pode ter certeza que ele estará no topo, o segundo com Jason que é um paquerador e não rola química alguma entre eles, mas que passam a ser amigos e começam a assistir os jogos de futebol americano juntos. E o terceiro Li, que é o professor de artes marciais no estilo Wushu, um oriental que está disposto a conquistar o coração de Kelsey e de verdade ele me conquistou com seu jeito de menino de família. Após passar um tempo, Kelsey ainda absorta em seus sentimentos pelo nosso amado Ren, ela resolve que Li poderia ser o candidato ideal para que ela possa se abrir novamente, já que ultimamente só consegue abraçar seu tigre branco gigante de pelúcia e chorar por toda a saudade que ela sente dele.




E o que aconteceu? No dia de Natal o nosso amado tigre aparece na porta da casa de sua família adotiva, e Kelsey fica atônita afinal, o único presente que ela queria na vida se concretiza na sua frente. Ren afim de conquistar de volta seu coração (e precisa?) resolve disputar o amor de Kelsey com Li, com que Kelsey acabou se tornando amiga. Mas o pobrezinho do Li não dá nem pro cheiro e o nosso casal amado enfim ficam juntos, por enquanto ... por que o feiticeiro Lokesh que lançou a maldição nos irmãos, está de volta e sua mira está diretamente em Kelsey, porque ela é a única que pode quebrar a maldição e também portadora de uma joia que se em mãos erradas pode destruir tudo o que está feito e será sem volta.




No tempo em que Kelsey estava saindo com os meninos, um dia Jason a levou para o teatro e assistiram o Rei Leão, porém no trajeto de retorno, Kelsey salva uma senhora de ser atropelada e vira manchete nos jornais, o que a torna um alvo fácil para Lokesh possa saber seu verdadeiro paradeiro. Com isso, Ren resolve pedir para o Sr. Kadam que peça que Kishan venha para Oregon afim de reforçar a segurança de Kelsey, só que o timing de Kishan não poderia ser pior ... rs. Então no dia dos namorados onde há um baile, Ren resolve convida-la para irem juntos e quando nós achamos que poderíamos ter um ápice do relacionamento dos dois, quem aparece? Sim, nosso amado tigre negro Kishan.




Ter um tigre como companhia pode ser as vezes um tanto quanto desafiador, agora imagina dois, que estão dispostos a fazer tudo para proteger Kelsey é bagunça na certa, mas os três conseguem sobreviver, até que um telefone de Jason para Kelsey os deixa atônitos, pois alguns caras que se identificaram com advogados pediram o paradeiro de Kelsey, alegando que seus pais deixaram um testamento, só que nós já sabemos que nunca houve testamento e nenhum, e quando menos se espera, os três acabam caindo numa emboscada no bosque de sua residência.

Nesta emboscada Ren acaba sendo capturado e vemos um cenário um tanto quanto inusitado, Kelsey em seu ímpeto de proteger seu amor, Ren, acaba descobrindo um poder muito além da sua imaginação e que só poderia ser um presente da deusa Durga. E neste meio tempo, enquanto Ren continua desaparecido, Kishan e Kelsey viajam para o Tibete a fim de conseguir o segundo presente para a Durga e assim ganhar mais horas como humanos para os nossos queridos tigres. Enquanto os dois se arriscam para buscar o lenço divino, podemos perceber o quanto a autora estudou e se empenhou para dar vida a esse livro, passamos a conhecer com mais afinco a cultura fantástica do Tibete e as lendas indianas que são de aquecer qualquer coração. Vale ressaltar que toda vez que Kelsey adormecia, ela sempre tinha sonhos/pesadelos com Ren, ele sendo açoitado e pedindo que ela se afastasse dele. Porém, esses sonhos não eram apenas sonhos e sim mensagens que Ren enviada a Kelsey.

Enfim, não vou ficar colocando muita coisa aqui, para instigar a vocês a lerem esse segundo livro fantástico, mas o final é de ficar com a garganta apertada, porque o nosso Ren, consegue voltar para casa, porem devido a sua tortura ele acaba apagando todo e qualquer sentimento por sua bilauta a nossa querida Kelsey, sentiu o drama? Sim, meus queridos é de cortar o coração esses finais e no da mais um gostinho para o terceiro volume que é A viagem do tigre.

E você, tá lendo?